19 abril 2006

Quando o Luar Caiu

Quando o luar caiu e
tingiu de escuro os verdes da ilha
cheguei, mas tu já não eras.
Cheguei quando as sombras revelavam
os murmúrios do teu corpo
e não eras.
Cheguei para despojar de limites o teu nome.
Não eras.
As nuvens estão densas de ti
sustentam a tua ausência
recusam o ocaso do teu corpo
mas não és.
Pedra a pedra encho a noite
do teu rosto sem medida
para te construir convoco os dias
pedra a pedra
no teu tempo consumido.
As pedras crescem como ondas
no silêncio do teu corpo.
Jorram e rolam
como flores violentas.
E sangram como pássaros exaustos
no silêncio do teu corpo
onde a noite e o vento se entrelaçam
no vazio que te espera.

Súbito e transparente chegaste
quando falsos deuses subornavam o tempo,
chegaste sem aviso
para despedir o defeso e o frio,
chegaste quando a estrada se abria
como um rio,
chegaste para resgatar sem demora o princípio.
Grave o silêncio agarra-se ao teu corpo,
hostil o silêncio agarra-se ao teu corpo
mas já tomaste horas e caminhos
já venceste matos e abismos
já a espessura do obô resplandece em tua testa.
E não me bastam pombas dementes no teu rosto
não bastam consciências soluçantes em teu rasto
não basta o delírio das lágrimas libertas.
Cantarei em pranto teu regresso sem idade
teu retorno do exílio na saudade
cantarei sobre esta terra teu destino de rebelde.
Para te saudar no mar e
na manhã dos cantos sem represas
saudarei a praia lisa e o pomar.
Direi teu nome e tu serás.

(Conceição Lima, poetisa de São Tomé e Príncipe. Reside em Londres e trabalha na redacção africana de língua portuguesa da BBC)


São Tomé vista do Ilhéu das Rolas
Foto: piddellp

Comentários: 7

Blogger planaltobie escreveu...

Pela divulgação da poesia africana!

19 abril, 2006 18:46  
Blogger Carlos Romao escreveu...

Olá Denudado
Mais um esclarecimento oportuníssimo, desta vez a propósito dos eléctricos. O meu obrigado.

20 abril, 2006 01:17  
Blogger Sony Hari escreveu...

Se o que dizem de algumas paragens de África fôr verdade (e eu acredito nas pessoas que me contaram), tenho receio de lá ir e não conseguir voltar ...

20 abril, 2006 21:50  
Blogger Denudado escreveu...

Amiga Sony Hari, não se alarme demasiado com o que lhe contam de África. Só em acidentes de trânsito, morre tanta gente aqui em Portugal como numa guerra civil. No entanto, não é por isso que as pessoas deixam de sair à rua e de andar de carro.

O calor humano que se sente em África rapidamente dissipa quaisquer receios que possamos sentir, pode crer. Quando mais tarde regressamos à Europa, temos a sensação de que estamos a chegar a uma terra acanhada e habitada por robots e não por pessoas.

20 abril, 2006 22:47  
Blogger Sony Hari escreveu...

Eu sei que não fui clara mas quando me referia a "não voltar" seria por gostar demasiado e não por temer pela minha vida. Sempre que falo com alguém que já viveu em África ou apenas visitou, os relatos são tão envolventes que dá-me logo vontade de fazer as malas e apanhar um avião.

20 abril, 2006 23:20  
Blogger Denudado escreveu...

Ah, bom! Então é o contrário do que parecia... :-)

20 abril, 2006 23:37  
Blogger a.leitão escreveu...

O filme "África Minha" dá uma ideia do que é África, mas em meu entender bastante ténue para quem conheceu Angola!
Estive lá "forçado" durante 28 meses e nunca me irei esquecer daquela terra de sonho.

22 abril, 2006 01:40  

Enviar um comentário