18 junho 2006

Companheiros

Meu coração canta e canta loucamente esperança, de Malangatana Valente


quero escrever-me de homens
quero calçar-me de terra
quero ser
a estrada marinha
que prossegue do último caminho

e quando ficar sem mim
não terei escrito
senão por vós
irmãos de um sonho
por vós
que não sereis derrotados

deixo-vos
a paciência dos rios
a idade dos livros que não se desfolham

mas não lego
mapa nem bússula
porque andei sempre
sobre meus pés
e doeu-me às vezes viver

hei-de inventar
um verso que vos faça justiça

por ora
basta-me o arco-íris
em que vos sonho

basta-me saber que morreis demasiado
por viverdes de menos
mas que permaneceis sem preço

companheiros


Mia Couto

Janeiro de 1984

Comentários: 1

Blogger pedro figueiredo escreveu...

ola

coincidencias da vida...

provavelmente quando xegou a vitoreira as pessoas que lhe apareceram eram meus familiaressou eu propio porque eu moro mesmo á entrada da aldeia.

fico muito contente de ter gostado da minha aldeia

apareça em

vitoreira.blogspot.com

um abraço

19 junho, 2006 21:22  

Enviar um comentário