13 julho 2006

Três poemas de David Mestre

David Mestre (1948-1998), poeta angolano


DEDICATÓRIA

Teus dedos
vadios
colhendo flores
na renda
dos meus

recordarei de
pois quando
noutros dedos
tocava
os teus


Tema e variações para guitarra clássica, de Fernando Sor



PARA ELISA

Embora
os passos partidos
no fundo
acaricio-te ainda
como se

inchados de beijar
o teu nome
os lábios em verso
pudessem
ainda acariciar-te


Für Elise, de Ludwig van Beethoven



BLUES

Tua voz desliza como um pássaro aberto na lâmina do dia
ilha que se levanta e voa a partir do Sol
lamento gritado da floresta por sua gazela perdida
choro grande do vento nas montanhas
ao nascimento de um escravo mais na história do vale

Tua voz vem de dentro da cidade
de todas as ruas bairros e leitos da cidade onde houver um calor de pernas
contar o silêncio das horas guardadas a soco no sarilho dos ventres
com um jazzman a assobiar na escuridão dos pares
a memória ácida do chicote
nos porões do Mundo


Last Chance, por George "Harmonica" Smith

Comentários: 0

Enviar um comentário