09 novembro 2006

Uma aldeia em verso

Chama-se Gouveia, mas não fica nas faldas da Serra da Estrela. Fica na freguesia de São João das Lampas, concelho de Sintra, para Norte da Praia das Maçãs e das Azenhas do Mar.

É uma bonita aldeia de características saloias, tal como outras aldeias da região, mas tem uma particularidade que a distingue das demais: em cada esquina existe um painel de azulejos que, além de indicar o nome da rua, apresenta uma quadra alusiva de sabor popular.

O autor das quadras é José Valentim Lourenço, um homem que nasceu na aldeia e tem apenas a 4ª classe. Vale a pena ir a Gouveia, saborear o ambiente rural que lá ainda se respira e visitar as suas esquinas, para ler as ingénuas quadras de José Valentim Lourenço, como as que a seguir se reproduzem:


BEM VINDO SEJAIS À NOSSA ALDEIA

As ruas estão libertas
É calmo o seu ambiente
E tem as portas abertas
P'ra receber toda a gente


LARGO DO ROSSIO

Foste pastagem de gado
Quem te vê e quem te viu
Hoje estás modificado
Ó meu Largo do Rossio


RUA DO ALTINHO

Quando chove de verdade
E a água inunda o caminho
Eu passo mais à vontade
Pela Rua do Altinho


RUA DA BARROCA

Esta rua é tão comprida!
Que não sei quanto ela mede,
Mas sei que tem à saída
A Estrada de São Mamede


RUA DOS BRAVOS

Não faças mal a ninguém
Mesmo que tenhas razão
E paga o mal com o bem
Que praticas boa acção.


RUA DO ALTO DO MOINHO

Já me custa esta subida
Até chegar ao moinho.
Mas será por toda a vida
Que eu não sei outro caminho.


RUA DAS CHAPINAS

Esta rua é na verdade
Pedregosa, sem valor,
Mas recorda-me com saudade
De quando eu era pastor.


LARGO DA EIRA VELHA

Quem me dera as desfolhadas
Na eira da minha aldeia
Com viras e desgarradas
Em noites de lua cheia.


LARGO PEDRO MANUEL CAETANO

Sempre muito serviçal
Foi este bom ser humano
Um grande amigo leal
Pedro Manuel Caetano.


RUA DA EIRA VELHA

P'ra ter pão fiz sementeira
Tive muito trabalhinho!
Quando o trigo entrou na eira
Ainda ia a meio caminho.


RUA DAS URTIGAS

Não vou nas tuas cantigas,
Mas por tudo o que já vi;
Antes picar-me em urtigas
Que ser picado por ti.


GOUVEIA

Quero tanto à minha aldeia
Que apesar de pequenita
Mesmo que seja feia
P'ra mim é sempre bonita.


PRAIA DA AGUDA

Gosto de ti tanto, tanto,
O meu gosto nunca muda.
Tu és o meu grande encanto,
Ó linda Praia da Aguda.

Esta última quadra não se refere, como é óbvio, à Praia da Aguda que existe em Vila Nova de Gaia. Refere-se a uma muito pequenina praia que também se chama Aguda e que fica muito próxima de Fontanelas, uma aldeia vizinha de Gouveia. Em Fontanelas, aliás, também existem quadras de José Valentim Lourenço.

Para se chegar a Gouveia, pode-se tomar a estradinha que sai da Praia das Maçãs para Norte, em direcção às Azenhas do Mar e Fontanelas. Depois de se atravessar a aldeia de Azenhas do Mar e um pouco antes de Fontanelas, pode-se tomar um desvio à esquerda para se ir espreitar a referida Praia da Aguda. Esta não é mais do que uma nesga de areia (quando há areia) no fundo da falésia, mas a pureza do ar forte e iodado que nela se respira é capaz de quase fazer ressuscitar um morto...

À entrada das Azenhas do Mar é possível, em alternativa ao trajecto anterior, virar à direita para Janas, que é uma aldeia em cujas imediações existe uma curiosa e rara capela circular, que antes de ser capela foi um templo pagão.

Também é possível chegar a Gouveia a partir de Sintra (passando pela Várzea de Sintra), da Terrugem ou do Magoito. Neste mapa está indicada a localização de Gouveia, assim como a sua região envolvente. Esta é uma página dedicada à aldeia.


Azenhas do Mar, uma aldeia próxima de Gouveia

Comentários: 3

Blogger inominável escreveu...

esta foto é tão linda que parece uma montagem... um bom exemplo do pequenino Portugal... é destas partes que tenho saudades, aqui em Berlin plantada...

09 novembro, 2006 10:41  
Blogger a.leitão escreveu...

A propósito de nome nas ruas.
É pena que em Portugal nas nossas cidades seja difícil encontrar uma rua mesmo em verso.
Recordo que aqui há uma dezena de anos, sózinho em Munique, sem saber uma única palavra de Alemão, calcorreei kms sem me perder ou perder o sentido apenas com um mapa da cidade. Bastava apenas "comparar" os caracteres em qualquer rua, mesmo a mais insignificante e nem precisavam de estar em verso!

09 novembro, 2006 21:06  
Blogger Denudado escreveu...

Inominável, a fotografia de Azenhas do Mar está tal e qual como a tirei, sem qualquer retoque.

A. Leitão, como sabe, aqui no Porto tem-se vindo a colocar novas placas identificativas nas ruas, as quais são feitas nas cores da cidade do Porto: verde e branco. Aqui na zona onde moro apareceram, da noite para o dia, placas por todos os lados. Não há fome que não dê em fartura...

Eu também já percorri a cidade de Munique de uma ponta a outra sozinho, mas tenho alguns conhecimentos de alemão. É fácil pedir informações aos habitantes da cidade, pois os bávaros são muito solícitos e simpáticos. Não tenho a mais pequena razão de queixa deles, pois sempre me trataram com a maior deferência e hospitalidade.

Uma coisa que descobri em Munique: no panteão da família real da Baviera, que fica na Igreja de S. Miguel, em pleno centro histórico da cidade, está o coração da "nossa" rainha D. Maria II que, como sabe, foi casada com um alemão.

10 novembro, 2006 00:08  

Enviar um comentário