10 janeiro 2007

O Forte de São João Baptista de Ajudá (Ouidah)

Quantos escravos passaram por esta porta com destino ao Brasil? (Foto: Erik Kristensen)

Este é o Forte de São João Baptista de Ajudá, situado em Ouidah, na República do Benim, que foi erguido no séc. XVIII para servir de entreposto e de protecção militar ao tráfico português de escravos para o continente americano e Caraíbas. Esteve na posse de Portugal até depois da independência do Daomé (como a República do Benim se chamava então), tendo sido abandonado e incendiado por ordem de Salazar em 1961, ano em que o Daomé decidiu ocupá-lo. Foi recuperado das cinzas ainda na década de 60 e nos anos 80 foi objecto de novas obras de restauro, as quais foram pagas pelo Estado português.

O forte é agora um Museu de História daquela região de África, de onde foram tantos os escravos que dela partiram que ela era chamada Costa dos Escravos. O sítio do museu na Internet merece uma visita, ainda que só esteja em francês e em inglês. É pena que não esteja também em português, pois as raízes de milhões de afro-brasileiros estão naquela parte do mundo, donde os seus antepassados saíram em condições ultrajantes.

Comentários: 7

Blogger Pitigrili escreveu...

Já leu "The Viceroy of Ouidah", de Bruce Chatwin?

10 janeiro, 2007 02:46  
Blogger Denudado escreveu...

Não, não li, Pitigrili (seja bem-vindo!), mas já fui espreitar à Wikipedia, para ver do que é que tratava. Deve ser um livro muito interessante, se respeitar a verdade histórica daquele lugar e da sua relação com o Brasil.

11 janeiro, 2007 01:03  
Blogger ELCAlmeida escreveu...

E segundo julgo saber foi recuperado com fundos integralmente portugueses.
Cumprimentos
Eugénio Almeida

30 janeiro, 2007 23:57  
Blogger Denudado escreveu...

Caro Eugénio Almeida, deve ter-lhe passou despercebido o que escrevi: "nos anos 80 foi objecto de novas obras de restauro, as quais foram pagas pelo Estado português".

É evidente que Salazar não iria pagar as obras feitas na década de 60.

02 fevereiro, 2007 17:10  
Blogger coletivo 308 escreveu...

Olá,

Sou estudante de arqueologia no Brasil e ca sabemos que algumas senzalas adotaram o perfil arquitetônico deste edificação para dinamizar o controle dos cativos. Alguns históriadores dizem que esse espaço foi finaciado com o capital baiano através de um imposto cobrado para sobre os escravos que ca chegavam.
Gostaria de saber onde posso encotrar a planta baixa dessa edificação, e mais material sobre sua construção e ocupação.

com os melhores cumprimentos

09 junho, 2011 14:05  
Blogger coletivo 308 escreveu...

Esqueci de dizer meu nome, é Marcelo Garcia

09 junho, 2011 14:06  
Blogger Fernando Ribeiro escreveu...

Caro Marcelo Garcia,
Eu não sei onde pode encontrar a documentação que deseja, mas sugiro-lhe que contacte o Arquivo Histórico Ultramarino, do Instituto de Investigação Científica Tropical, sediado em Lisboa. Pode ser que haja alguém por lá que possa ajudá-lo. O Arquivo Histórico Ultramarino tem o seguinte endereço na Internet:

http://www2.iict.pt/?idc=100

O endereço da página de contactos do Instituto é o seguinte:

http://www2.iict.pt/?idc=14&idl=1

Desejo-lhe boa sorte e felicidades para a sua futura carreira.

10 junho, 2011 17:19  

Enviar um comentário