07 abril 2007

Deposição de Cristo no túmulo

Comentários: 12

Blogger O'Sanji escreveu...

Caro Denudado
Não sei se conhece o disco resultante de uma homenagem a Albert Schweitzer, médico missionário cuja acção na África Equatorial Francesa, juntamente com sua mulher, foi notável, fundando um hospital nas margens do rio Ogowe, em Lambaréné, no Gabão. Além de médico, era um brilhante organista.
O disco, uma edição de 1995, de nome Lambarena - Bach to Africa, é o cruzamento dos sons de Bach com harmonias tradicionais do Gabão, criando um som fascinante.
Poderá ouvir (apesar de eu duvidar que não conheça) aqui um arranjo da peça cujo link deixou no seu post.
Um abraço e continuação de uma boa Páscoa.

07 abril, 2007 23:53  
Blogger Denudado escreveu...

Cara O'Sanji

Não conhecia o disco de homenagem a Albert Schweitzer que refere, mas já conhecia a versão que indica e outras ainda, por tê-las encontrado nesta página. Ouvindo-as (com extremo agrado, diga-se de passagem), eu perguntava-me de que obra é que elas teriam vindo e de que país é que seria aquela magnífica música africana. Pelos vistos, é do Gabão.

Eu não sou um grande entusiasta de muita da chamada "world music". Muito do que nos é apresentado sob este rótulo não passa de uma "modernização" empobrecedora de músicas ancestrais de riquíssimas tradições, para consumo de ouvidos urbanos desenraizados ou à procura de exotismo. Não me entenda mal, por favor. Gosto imenso de ouvir Cesária Évora ou Oum Khaltoum (já falecida há muito), que não têm nada a ver com exotismos ocos, mas não gosto de ouvir as gravações feitas por Youssou N'Dour para o mercado internacional, por exemplo. Gosto de Youssou N'Dour, sim, mas nas suas gravações para o mercado senegalês, que são muito mais genuínas e sentidas.

No caso da mistura de música de Bach com música tradicional africana, acho que o resultado não só não é nada empobrecedor, como me parece que a música erudita europeia (a de Bach, neste caso) e a música ancestral africana têm muito mais em comum do que se poderá pensar. O diálogo conseguido nestas gravações é magnífico e enriquecedor.

Boa Páscoa

08 abril, 2007 16:50  
Anonymous O'Sanji escreveu...

Caro Denudado
Essa página, onde encontrou o "Ruht wohl...", é da minha amiga Phwo. Eu também tenho dois sítios desses, que abri para ver se conseguia colocar no meu blog as músicas que gosto, só com a barrinha que costumo utilizar. Até hoje, fruto do meu analfabetismo informático, não consegui isso. E, apesar do Castpost ter uma forma de se poder colocar uma barrinha semelhante, na maioria das vezes não funciona. O Multiply foi mais uma tentativa falhada! Como pode verificar, não consigo colocar a "minha" música, a não ser quando encontro por outros lugares e, nesse caso, faço um "roubo".
Poderá facilmente encontrar o disco em questão na FNAC. É da etiqueta CellulOid e Sony e a referência é SK 64542, e com os seguintes números no código de barras: 5 099706 454229. Quanto à data: aparecem-me os anos 1993 (acho que do copyright da Sony e data da gravação), 1994 (na capa com copyright também) e 1995 (que suponho ser, de facto, a data de impressão).
Quanto às considerações que tece em relação à chamada "world music", estamos em sintonia, por isso o entendo muito bem.
Em relação a Bach e às várias experiências que se têm feito de mistura com outros ritmos, são reveladoras de que a música desse génio é eterna. Acho que tenho aqui em casa um outro CD com uma experiência semelhante, mas feita em terras brasileiras. Se o conseguir encontrar no meio de algumas centenas de discos... vou colocar no multiply e dar-lhe-ei conta disso.
Com amizade

09 abril, 2007 14:57  
Blogger Denudado escreveu...

Cara O'Sanji

A página é da Phwo? Bem me parecia que conhecia aquele rap dos Kalibrados de algum lado...

O Castpost, tanto quanto me foi dado a ver, só permite que se coloque a música no nosso blog se se fizer uso do seu próprio leitor. Quanto ao Multiply, também aprendi à minha custa que ele não permite fazer links directos ao conteúdo das suas páginas. Acho que isto não tem nada a ver com o seu «analfabetismo informático»; os sites foram feitos mesmo assim.

Quanto ao disco em questão, agradeço-lhe imenso as referências. Há uma loja da FNAC num centro comercial aqui perto e, assim que puder, vou lá.

Em relação a Bach, muitas das experiências e misturas que se têm feito com a sua música têm dado bons resultados. Até em jazz se tem tocado música de Bach e o resultado é quase sempre excelente. Música boa é outra loiça...

09 abril, 2007 22:33  
Blogger O'Sanji escreveu...

Parece-me que ainda temos muito que conversar sobre Bach e as experiências!
Lembrei-me de um outro CD que tenho e de que coloquei uma faixa num dos meus Castpost. É uma versão jazz do Jacques Loussier Trio - "Jesus, Joy". Poderá ouvi-lo em http://osanji1.castpost.com/
Um abraço com amizade

10 abril, 2007 11:28  
Blogger O'Sanji escreveu...

Caro Denudado
E conforme prometido...
Encontrei o CD Bach in Brazil, e já coloquei 5 faixas aqui.
Neste disco, em vez de se fazer uma colagem de harmonias, há arranjos de algumas peças em ritmo de choro, ou chorinho conforme outros, onde os instrumentos de eleição são o bandolim, e os tão portugueses cavaquinho e viola braguesa (do outro lado do Atlântico chamada viola caipira).
Este tipo de música instrumental, que correu o risco de desaparecer dos estilos musicais brasileiros, é uma forma musical entre o clássico e o popular, com fortes características barrocas e que exige muito virtuosismo dos seus intérpretes. É um dos géneros musicais brasileiros que mais me agradam.
Espero que goste.

10 abril, 2007 22:32  
Blogger Denudado escreveu...

O'Sanji, é sem dúvida uma excelente interpretação de "Jesus Alegria dos Homens", como julgo que se chama em português, mas a gravação está truncada, não está? Seja como for, tem nessa página um conjunto de peças musicais de grande qualidade. Gostei muito; a sério.

10 abril, 2007 22:38  
Blogger O'Sanji escreveu...

Denudado
Só depois de ter enviado o comentário também dei conta desse problema. Vou tentar colocar no Multiply, porque apesar de tudo me parece mais fácil de utilização.

10 abril, 2007 23:36  
Blogger O'Sanji escreveu...

Pronto... Agora, prometo que paro.
Já pode ir ouvir no Multiply três faixas do The Bach Book, gravação do Trio Jacques Loussier. E agora com o "Jesus, Joy of Man's Desire" da Cantata n.º 147 completo.

11 abril, 2007 00:30  
Blogger Denudado escreveu...

O'Sanji, muito obrigado pelas belíssimas interpretações de Bach, tanto sob a forma de jazz, como sob a forma de chorinho brasileiro. A música genial de Bach consegue adaptar-se aos mais variados géneros sem perder a sua qualidade. O que é importante não é o género, o que é importante é que os intérpretes sejam genuínos e sinceros, dentro da sua própria cultura musical, qualquer que ela seja.

As interpretações de temas de Bach sob a forma de chorinho fizeram-me imediatamente lembrar Heitor Villa-Lobos e as suas famosas Bachianas Brasileiras. Ouvindo uns e outros temas, quase me apatece dizer que, se não fosse alemão, Bach teria forçosamente que ser brasileiro...

Em jeito de agradecimento pelas peças que me deu a ouvir, proponho-lhe escutar o trecho mais conhecido das Bachianas, que é a Cantilena, das Bachianas Brasileiras nº 5. Embora o grande Villa-Lobos a tenha originalmente escrito para voz de soprano, violoncelo e orquestra, proponho-lhe que ouça esta adaptação para voz e piano.

12 abril, 2007 01:59  
Anonymous O'Sanji escreveu...

Denudado
Parece que esta conversa tem pano para mangas...
Uma vez que me deu a ouvir Vila-Lobos, no CD Bach in Brazil também tem a Aria das Bachianas Brasileiras n.º5, que resolvi colocar no Multiply.
Para além dessa composição, poderá ainda ouvir outras três de outros tantos grandes compositores brasileiros: Remexendo, de Radamés Gnattali; Chorando Baixinho, de Abel Ferreira; e Vou Vivendo, do saudoso Pixinguinha.

12 abril, 2007 22:04  
Blogger Denudado escreveu...

O'Sanji, não há dúvida que o Brasil é um colosso, também no que diz respeito à música. Mais uma vez lhe agradeço a excelente música que me deu a ouvir.

14 abril, 2007 02:43  

Enviar um comentário