09 maio 2007

Buxtehude morreu há 300 anos


Completam-se hoje 300 anos sobre a morte de um dos mais importantes compositores do barroco alemão: Dieterich Buxtehude. Nascido em Holstein, que actualmente faz parte da Alemanha mas que naquele tempo pertencia à Dinamarca, Buxtehude teve uma grande influência sobre Johann Sebastian Bach, que chegou a percorrer mais de 300 quilómetros só para ouvi-lo. Escutemos alguns trechos de Buxtehude.

Fanfarra, por Paul Jenkins, em órgão, e Charles Schlueter, James Tinsley e William Sperandei, em trompetes

Allegro, da Sonata em lá menor para violino, viola da gamba e baixo contínuo, BuxWV 272, por John Holloway e Ursula Weiss, em violinos, Jaap der Linden e Mogens Rasmussen, em violas da gamba, e Lars Ulrik Mortensen, em cravo

Prelúdio em sol sustenido BuxWV 163, por Bradley Lehman, em órgão

Fragmento da cantata Ad Genua, do ciclo de cantatas Membra Jesu Nostri, pelos coros Capella Ducis e Novo Cantare

Comentários: 2

Blogger inominável escreveu...

embora não seja o meu período preferido, gosto muito deste compositor... e até vou ver brevemente um concerto deste período à filarmonia aqui do burgo (!) para a próxima semana...

11 maio, 2007 11:31  
Blogger Denudado escreveu...

Amiga Inominável, o período barroco é um dos meus preferidos. Enfim, nem todos podemos ter os mesmos gostos, não é?

Buxtehude foi um compositor muito importante, na medida em que foi um precursor de Bach. Buxtehude e Heinrich Schütz, sobretudo, desbravaram o caminho para que o génio de Bach se exprimisse com toda a sua vitalidade.

De resto, o período barroco deu-nos muita e maravilhosa música, não só de Bach, Buxtehude e Schütz, mas também de Gluck, Händel, Vivaldi, Pergolesi, Domenico Scarlatti e o português Carlos Seixas, entre muitíssimos outros compositores de grande valor.

13 maio, 2007 00:06  

Enviar um comentário