04 junho 2007

O Senhor da Pedra


A capela do Senhor da Pedra, na praia de Miramar, Gulpilhares, Vila Nova de Gaia (Foto: valter hugo mãe)


Aqui na região do Porto, nesta época do ano é assim: mal acaba uma festa, começa logo outra. Ainda a festa ao Senhor de Matosinhos não arrefeceu, ainda a Campa do Preto está engalanada pela festa feita em honra do escravo mártir, logo uma nova festa começa, a do Senhor da Pedra. E muitas outras se seguirão, é claro, com particular destaque para a festa rija do São João na própria cidade do Porto.

A festa dedicada ao Senhor da Pedra, na freguesia de Gulpilhares, em Vila Nova de Gaia, merece um destaque especial, tanto pelo local em que decorre, como pela grande devoção de que terá sido alvo no passado. O local da festa é uma capela de planta hexagonal erguida sobre um rochedo batido pelo mar na praia de Miramar. A capela que lá está agora data mais ou menos da época do rei D. João V, mas o local em que ela se ergue foi objecto de remotas crenças pagãs. Antes da capela actual, é de admitir que outros templos, pagãos e cristãos, tenham existido naquele rochedo.

Só o próprio facto de uma capela se erguer num local tão junto ao mar, sem que seja destruída por este nos dias de maior temporal, já parece um milagre. Não admira, por isso, que ela tenha sido o centro de um fervoroso culto.

A importância que a romaria ao Senhor da Pedra teve no passado é testemunhada pela existência, num raio de muitos quilómetros em redor, de cantigas de romaria que lhe são dedicadas. Há cantigas ao Senhor da Pedra em localidades como Cinfães e Paredes, entre muitas outras. Quer isto dizer, portanto, que acorriam às festas do Senhor da Pedra muitos romeiros vindos de muito longe, que formavam ranchos e rusgas e iam a pé pela estrada fora, cantando, dançando e tocando bombos, ferrinhos, cavaquinhos, concertinas, rabecas, violas ramaldeiras e braguesas, etc.

Por muito que tenha procurado, não encontrei na Net gravações de cantigas ao Senhor da Pedra. Seja como for, as danças e cantigas que apresento a seguir também eram certamente cantadas e dançadas pelos romeiros que seguiam a caminho de Miramar, pois são danças e cantares de romaria típicos do Douro Litoral.

Regadinho, pelo Rancho Folclórico "As Lavradeiras do Minho do Cantão de Vaud", constituído por emigrantes portugueses na Suíça

Malhão, por um tocador de concertina não identificado

Cana Verde, pelo grupo Maio Moço

Comentários: 3

Blogger Graça escreveu...

Belíssima fotografia e testemunho documental!
Graça

24 novembro, 2008 00:56  
Anonymous Anónimo escreveu...

Tem quase meio século que conheço o Senhor da Pedra, e não consta do memorial de lendas que ao longo do tempo fui conhecendo, de qualquer ritual pagão ou cristão antes da edificação da CAPELA.entre muitas histórias que se conhecem, a mais ouvida e passada de geração em geração é a de um salvamento de pescadores e que em resultado do exito no salvamento um benemérito mandou construir a capela.
Já agora quanto às canções, o rabcho de Gulpihares e até o de Arcozelo, dava um jeitinho e arranjava-te agumas canções.
De qualquer forma elogio o teu Blog.
Que o Sr. da Pedra esteja contigo.

09 junho, 2009 17:27  
Anonymous Eduardo Santos escreveu...

O Senhor da Pedra ainda hoje é centro de cultos pagãos, além do fervoroso culto Cristão.
Em frente da capela queimam-se velas e máscaras de cera durante todo o ano.
Realmente os Ranchos das regiões circundantes ainda possuem no reportório cantigas alusivas ao Senhor da Pedra.

04 março, 2010 15:09  

Enviar um comentário