11 novembro 2010

Gente linda

(Foto de autor desconhecido)

Angola tem gente linda. Linda por fora e, sobretudo, linda por dentro. Isto mesmo pode ser observado no vídeo que se reproduz abaixo e que JCosta, autor do blogue N'gola, fez para o Youtube, a partir de fotografias espalhadas pela Internet.

Este vídeo (que de facto é um diaporama) mostra aquilo que seria de esperar, em termos de exotismo e de sensualidade, em imagens de pessoas que habitam nas zonas rurais do sudoeste de Angola, sobretudo; ou seja, nas das províncias da Huíla, Cunene e Namibe. É verdade que sim. Mas ele mostra mais do que isso. Além da esbelteza dos corpos, da diversidade dos penteados, da exuberância dos adornos e da policromia dos panos, ele mostra a beleza interior do povo de Angola nos sorrisos cristalinos, nos olhares diretos, nos rostos francos, nos corações puros.

É gente linda, esta. Por fora e por dentro. Gente que merece a felicidade.


Assiste-se, neste diaporama, a uma sucessão de pessoas pertencentes a várias etnias de Angola, quase todas do sudoeste: Himbas, Kuvales ou Mucubais, Mumuílas, Khoisan ou Bochimanes, etc. Também se veem pessoas de Cabinda, segundo afirma o autor do diaporama; no entanto, só pelo aspeto exterior, é muito difícil distinguir quem é de Cabinda de quem é das províncias do Zaire, Uíge, Bengo, etc. Tentei identificar as diversas etnias, à medida que as imagens iam desfilando, mas tive muita dificuldade em consegui-lo, pois os meus conhecimentos sobre o assunto são extremamente precários. Eis o resultado a que consegui chegar:

 - 23s - Himbas;

 - 1m 44s - Kuvales, também chamados Mucubais;

 - 1m 51s - Mumuílas;

 - 2m 37s - ?;

 - 3m - Kuvales, também chamados Mucubais;

 - 5m 4s - ?;

 - 5m 50s - Mumuílas;

  - 6m 50s - Khoisan, também chamados Mukwankalas, Mukwasekeles (na província do Kuando-Kubango), Bochimanes ou Bosquímanos;

 - 8m 4s - Kuvales, também chamados Mucubais?;

 - 8m 11s - Cabindas, Bacongos e Ambundos.

Se errei em alguma identificação, agradeço que me corrija. Obrigado.

NOTA 1 -- Há um aspeto para o qual eu quero chamar a atenção de quem me lê. A moça que se vê no diaporama aos 6 minutos e 6 segundos parece estar a palitar os seus dentes, mas não está. Está a limpá-los, esfregando-os com o topo de um pau de junco. É assim que os camponeses de Angola limpam os seus dentes, em vez de os lavarem com uma escova e pasta dentífrica. Depois de terem comido ou de terem apenas metido qualquer tipo de alimento na boca, os angolanos que vivem no mato (e muitos da cidade também) procedem sempre -- mas sempre! -- à limpeza meticulosa dos seus dentes da maneira que se vê na imagem. Com o uso, o pau de junco desgasta-se e acaba por ficar com uma espécie de cerdas muito finas e sedosas, como as de um fino pincel. O resultado é espetacular. Os camponeses angolanos apresentam quase sempre uma dentição perfeita e imaculadamente branca. Uma dentição verdadeiramente invejável.

NOTA 2 -- A propósito de dentes, veem-se no diaporama diversas imagens de pessoas que parecem ter uma espécie de falha nos seus incisivos superiores, ou mesmo a total ausência destes dentes. É de propósito. Os membros de algumas etnias do sudoeste angolano procedem habitualmente à limagem em diagonal dos incisivos superiores, de modo a que estes apresentem uma fenda em forma de V invertido, tal como se vê na fotografia da moça angolana que encabeça este artigo, ou então procedem à extração pura e simples destes dentes. Nunca encontrei uma explicação para esta dolorosa prática, para além da que afirma que faz parte da tradição.

Comentários: 0

Enviar um comentário