17 agosto 2011

Descendentes de portugueses em Jacarta


Crianças de Kampung Tugu, Jacarta, Indonésia (Fotos: We Love Jakarta)

Portugal nunca colonizou a ilha de Java, mas em Java há pessoas que se dizem descendentes de portugueses. Como é isto possível?

É verdade que, no séc. XVI, a ilha de Java foi muito visitada pelos navegadores portugueses, sobretudo depois de o rei de Sunda lhes ter dado autorização para utilizarem Jacarta como porto de apoio ao comércio de especiarias e outros bens. Mas Jacarta nunca chegou a ser uma base portuguesa permanente. De onde vieram então os descendentes dos portugueses?

Parece que esta afirmação não é rigorosamente verdadeira. Os portugueses terão tentado estabelecer-se em Jacarta, mas foram expulsos. Luís Cunha publicou no Facebook o seguinte:

Os portugueses estiveram em Jacarta, embora por pouco tempo. Em 1522, o rei Pajajaran assinou um acordo com Henrique Leme que, em troca de assistência militar, dava aos portugueses o direito de construir uma fortaleza em Sunda Kelapa. Em 1527, o sultão Trenggono,de Demak, no intuito de impedir a construção, manda uma expedição militar para expulsar os portugueses e derrota-os numa batalha naval , em 22 de Junho de 1527. O nome de Sunda Kelapa é então mudado para Jayakarta, que significa "a cidade da vitória".

Quando os holandeses conquistaram a cidade de Malaca a Portugal, em 1641, escravizaram os sobreviventes portugueses e os seus descendentes que viviam nesta cidade malaia. Alguns destes escravos foram a seguir levados para a cidade de Jacarta, que os holandeses crismaram de Batavia (nome que os antigos romanos haviam dado à Holanda) e da qual fizeram o principal centro de atividades da Companhia Holandesa das Índias Orientais. Aos escravos portugueses e mestiços trazidos de Malaca, vieram juntar-se outros portugueses e respetivos descendentes, capturados e escravizados na Índia, Ceilão e outras paragens.

Em Jacarta, os holandeses esforçaram-se por eliminar as marcas culturais portuguesas que estes escravos traziam, obrigando-os a adotar nomes holandeses ou, pelo menos, com uma sonoridade holandesa, e forçando-os a trocar a fé católica pelo calvinismo. Obrigaram-nos ainda a viver num pedaço de terra situado a 10 km do centro da velha Batavia, chamado Tugu (Toegoe na ortografia holandesa), que agora se chama Kampung Tugu.

Os escravos portugueses e mestiços de Tugu foram libertados em 1661. Foram então chamados Mardijker, palavra que significa "Libertos" e que é originária do sânscrito. É desta que deriva a palavra que em língua indonésia significa "Liberdade": Merdeka.

Apesar dos esforços feitos pelos holandeses no sentido de levar esta gente a perder a sua identidade própria, ela conservou-a até aos nossos dias, teimosamente. Estas pessoas continuam a acarinhar Portugal, trezentos e setenta anos depois de lhes terem cortado os laços que as uniam a este país, um país que elas não conhecem e que não esperam poder algum dia visitar, porque está no outro lado do mundo. Mas que é um país que elas também consideram seu.

Se dúvidas houver relativamente a este facto, elas certamente desaparecerão depois de se ver a reportagem que se segue, que é de uma estação de televisão indonésia. A reportagem está em indonésio, embora nela intervenham, em inglês, o embaixador de Portugal em Jacarta e uma leitora de português na universidade local. Mesmo que não se entenda uma única palavra da reportagem, as imagens são sobejamente eloquentes sobre os sentimentos dos Tugus relativamente a Portugal.



O idioma que se falava em Tugu era o Papiá Tugu, um crioulo de base portuguesa muito semelhante ao Papiá Cristão que ainda é falado em Malaca. Infelizmente já ninguém sabe falar Papiá Tugu em Jacarta, à exceção de algumas palavras avulsas. O último falante deste crioulo, Jacob Quiko, faleceu em 1978. O Papiá Tugu subsiste apenas em alguns poemas e canções, como a canção que se pode ouvir no vídeo que se segue.


Comentários: 4

Blogger Celina Dutra escreveu...

Sensacional seu trabalho. Sabia da existência de descendentes de portugueses em Jacarta, mas nada sabia da história.

Girassóis nos seus dias.
Beijos

17 agosto, 2011 05:14  
Blogger Fernando Ribeiro escreveu...

Cara Celina Dutra, muito obrigado pelas suas simpáticas palavras.

Jacarta não é o único território da Indonésia onde vivem descendentes de portugueses. Também no arquipélago das Molucas, na ilha das Flores e em Timor Ocidental, pelo menos, existem lusodescendentes. Ao contrário do caso de Jacarta, porém, nestes outros casos já faz sentido falarmos em colonização portuguesa, embora ela tenha sido muito débil.

19 agosto, 2011 17:07  
Blogger Hidra_de_Lerna escreveu...

Gostei muito de ler o seu artigo sobre essa comunidade esquecida. :-) Obrigada!

Sobre a comunidade, tem sido construído este sítio web:
http://tugu.zzl.org/

14 janeiro, 2012 16:04  
Blogger Fernando Ribeiro escreveu...

Prezada Hidra_de_Lerna,

Muito obrigado pela sua visita. Se encontrar alguma incorreção no meu texto, agradeço que ma indique, para que eu possa corrigi-la. Volte sempre.

18 janeiro, 2012 02:26  

Enviar um comentário