01 novembro 2011

«...a cada um a sua própria morte»

5.

(…)
Estão entregues a centenas de supliciadores tais,
e, agredidas pelo bater de cada hora passada,
circulam solitárias em torno de hospitais
esperando cheias de medo o dia da entrada.
Aí está a morte. Não aquela cujo cumprimento
na infância estranhamente as tocou,
a pequena morte, como ali se designou;
a sua própria morte está nelas como um fruto que passou
verde e sem doçura, sem amadurecimento.

6.

Senhor, dá a cada um a sua própria morte.
Morrer que venha dessa vida
durante a qual amou, sentido encontrou, teve má sorte.

7.

Porque nós somos apenas a casca e a folha.
A grande morte, que cada um em si traz,
é o fruto à volta do qual tudo gira.

Rainer Maria Rilke (1875-1926), in O Livro das Horas


Pormenor de um túmulo no cemitério de Agramonte, Porto (Foto de autor desconhecido)

Comentários: 1

Blogger Celina Dutra escreveu...

Fernando querido,

"A grande morte, que cada um em si traz,
é o fruto à volta do qual tudo gira." Uma imensa verdade!
Girassóis nos seus dias. Beijos.

02 novembro, 2011 20:54  

Enviar um comentário