15 janeiro 2014

Perfilados de medo

Perfilados de medo, agradecemos
o medo que nos salva da loucura.
Decisão e coragem valem menos
e a vida sem viver é mais segura.

Aventureiros já sem aventura,
perfilados de medo combatemos
irónicos fantasmas à procura
do que não fomos, do que não seremos.

Perfilados de medo, sem mais voz,
o coração nos dentes oprimido,
os loucos, os fantasmas somos nós.

Rebanho pelo medo perseguido,
já vivemos tão juntos e tão sós
que da vida perdemos o sentido...

Alexandre O'Neill (1924-1986)



Perfilados de Medo, por José Mário Branco
 (aos 6 minutos e 15 segundos, ouvem-se as notas iniciais de Mãe Pobre, canção composta por Fernando Lopes-Graça, com base num poema de Carlos de Oliveira)

Comentários: 2

Blogger Rogerio G. V. Pereira escreveu...

"Quem te sagrou creou-te portuguez.
Do mar e nós em ti nos deu signal.
Cumpriu-se o Mar, e o Imperio se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!"

Quem isto escreveu era Pessoa
bem maior que eu
(cumprir Portugal custa tanto...)

16 janeiro, 2014 00:58  
Blogger Fernando Ribeiro escreveu...

Inteiramente de acordo. Um abraço.

16 janeiro, 2014 02:52  

Enviar um comentário