13 fevereiro 2014

Dia Mundial da Rádio

(Foto de autor desconhecido)

Sendo Dia Mundial da Rádio, hoje é dia de luto. Luto por um meio de comunicação que se encontra moribundo. Não é novidade para ninguém que, nos tempos que correm, a rádio só é ouvida no carro. Salvo uma pequena minoria, já ninguém escuta rádio sem ser no carro. Por exemplo, o que as pessoas ligam, assim que chegam a casa, é o televisor ou mesmo o computador, nunca o rádio.

São muitas as razões para o declínio acentuado da rádio que se verifica atualmente. A internet é com certeza a mais importante. No já distante ano de 1980, cantava-se Video killed the radio star. Mas não foi pelo vídeo e também não foi pela televisão que a radio star foi morta. Ela está sendo morta pela internet. Mas... estará mesmo?

Não será a própria internet uma certa forma de rádio (e de televisão e de vídeo e de outras coisas mais, todas ao mesmo tempo)? Até no que diz respeito ao meio de transmissão usado, quantas vezes a internet chega aos nossos computadores e aos nossos dispositivos móveis através das ondas eletromagnéticas, sob a forma de Wi-Fi, GSM, satélite, LTE, etc.? Quer dizer então que a rádio não está agonizante e que a notícia da sua morte é um exagero?

A rádio na sua forma tradicional, pelo menos, vai definhando a olhos vistos, com as suas ditatoriais play-lists e com o seu cortejo de animadores convencidos de que são engraçadinhos, debitando graçolas imbecis a um ritmo alucinante e tratando os ouvintes como se fossem deficiente mentais profundos. Diante deste vil panorama, diríamos que as rádios tradicionais estão a fazer todos os possíveis e impossíveis por matar, de uma vez por todas, a radio star. E, ao mesmo tempo que a radio star vai morrendo, estão elas mesmas a correr aceleradamente para o suicídio. Nunca mais (oh, nunca mais!) voltaremos a ouvir programas de rádio bem feitos e inteligentes como era, por exemplo, As Noites Longas do FM Estéreo.

Quanto aos vídeos que se seguem, eles também já fazem parte de um passado que não volta mais. A RDP Internacional deixou de transmitir em ondas curtas há muitos meses. Presentemente, nenhuma rádio portuguesa transmite em ondas curtas, e quase se pode dizer o mesmo em relação às ondas médias também. Só um pequeno punhado de estações estrangeiras, como a Voz da América, a Rádio Internacional da China ou a Rádio França Internacional, é que ainda transmite em português através das ondas curtas. O que se ouve nos vídeos seguintes já faz, portanto, parte da História.


A RDP Internacional ouvida no Brasil em ondas curtas


A RDP Internacional ouvida no Japão em ondas curtas


A RDP Internacional ouvida na Roménia em ondas curtas


A RDP Internacional ouvida no Reino Unido em ondas curtas, em modo digital DRM

Comentários: 2

Blogger Carlos Romao escreveu...

Sou daqueles que não vêem televisão porque o que passa pelos canais generalistas, RTP, SIC e TVI, não tem interesse para mim. Mas ouço rádio, dentro e fora do automóvel, escuto a Antena 1, a Antena 2 e a TSF. Lembro-me das Noites Longas do FM Estéreo e do Contraponto (creio que era apresentado pela Maria José Mauperrin, na Antena1). Foram bons momentos de rádio, tal como mais tarde aconteceram na Delírio, rádio pirata, na XFM e na Voxx. Todas tinham em comum, a qualidade do que transmitiam. Hoje, tal como diz, a maioria das rádios trata os ouvintes como deficientes mentais. Outras, como a Smooth FM, transmitem boa música, mas têm um terrível senão, o vazio que criam, não falam connosco, não fazem companhia. São as rádios das play lists. Creio que a rádio, no sentido da telefonia sem fios, tem os dias contados, mas não morrerá, mudará, isso sim, de meio de transmissão. Muita da rádio "tradicional" que ouço chega-me pela internet, até com melhor qualidade sonora, sem interferências. Há um programa que uso para pesquisar e ouvir rádios longínquas, e até outras mais próximas, que nos dá um panorama da quantidade de rádios na net, apesar de estar desactualizado. É o Screamer Radio, um ficheiro pequeno e fácil de instalar que pode descarregar aqui, se assim desejar: http://www.screamer-radio.com/download/

20 fevereiro, 2014 16:47  
Blogger Fernando Ribeiro escreveu...

Muito obrigado, Carlos Romão, pelo link, que desconhecia. Assim que puder, vou experimentar (agora não, porque já é tardíssimo e eu já devia estar na cama).

Uma página bastante curiosa é uma que permite escutar rádio a sério, mesmo rádio com interferências e tudo, pela internet. Mas não tem FM; só tem AM, SSB e CW, desde os zero até aos 30 MHz. A qualidade do som não é grande coisa e em alguns browsers é necessário ativar o Java, que não é completamente seguro. Apesar de tudo, costuma ter várias dezenas de ouvintes ligados simultaneamente. Pertence à Universidade de Twente, na Holanda, e permite-nos ouvir rádio como se estivéssemos na Holanda. Em ondas curtas, não há muita diferença em relação ao que se poderia ouvir cá em Portugal, mas em ondas médias e longas há. O endereço da página é o seguinte: http://websdr.ewi.utwente.nl:8901/.

21 fevereiro, 2014 03:09  

Enviar um comentário