28 dezembro 2016

A igreja paroquial de Carcavelos, Cascais

Fachada principal da igreja paroquial de Nossa Senhora dos Remédios, Carcavelos, Cascais (Foto: Geraldo Salomão)


Quem só vir a igreja de Carcavelos por fora, não desconfiará do que ela tem por dentro.

Por fora, a igreja paroquial de Carcavelos, que é dedicada a Nossa Senhora dos Remédios, é um templo muito simples e harmonioso, construído nos inícios do séc. XVII, rodeado de frondosas e frescas árvores e circundado por estreitas ruas e pequenas e tranquilas pracinhas. Quase nos julgaríamos a muitos quilómetros de distância das urbanizações-dormitórios, que dos anos 60 para cá transformaram radicalmente a paisagem dos arredores de Lisboa, Carcavelos incluída.

Esta igreja foi construída num tempo em que Carcavelos era uma aldeia saloia, rodeada de quintas banhadas pelo sol, das quais saía um precioso néctar, o vinho de Carcavelos, que era um vinho generoso que atingiu grande fama e era exportado para Inglaterra sob a designação de Lisbon wine. Hoje, o vinho de Carcavelos é uma raridade, quase em extinção. Só nas lojas especializadas em vinhos é que é possível encontrar à venda alguma garrafa de "Carcavelos D.O.C.". Em vão a encontraremos em algum supermercado.

Não se pode descrever o encantamento que se sente quando se entra na igreja de Carcavelos. Em vez de nos depararmos com uma igreja soturna e cheirando a bafio, transbordando de pesada e sufocante talha barroca por todos os lados, como são quase todas as igrejas de Portugal, vemo-nos dentro de uma igreja linda, com uma maravilhosa capela-mor coberta de preciosos e coloridos azulejos do séc. XVII, assim como uma nave cujas paredes também se encontram cobertas até meia altura por silhares de azulejos, igualmente seiscentistas e igualmente coloridos. A cor e a frescura dos azulejos fazem da igreja de Carcavelos um lugar de paz, de beleza e de refrigério sem par.


Capela-mor da igreja paroquial de Nossa Senhora dos Remédios, Carcavelos, Cascais (Foto: Alto do Lagoal e Vale da Terrugem)

Comentários: 8

Blogger Isabel escreveu...

Lindíssima, e realmente é diferente do habitual. Mas não concordo quando diz que as nossas igrejas são soturnas e cheirando a bafio e transbordando de pesada e sufocante talha barroca! Aqui a Sé de Castelo Branco, por exemplo é um dessas igrejas e é lindíssima!
Pronto, gostos não se discutem...mas as nossas igrejas (desse estilo) são lindas:)

Desejo-lhe umas boas entradas e que 2017 seja um Bom Ano:)

28 dezembro, 2016 19:37  
Blogger Fernando Ribeiro escreveu...

Acho que nunca entrei na Sé de Castelo Branco. Lembro-me de lhe passar à porta, mas não tenho qualquer recordação do seu interior. Pesquisei com o Google e gostei do que vi. A pouca talha barroca que tem não prejudica o conjunto. Assim, sim.

Aqui no Porto há uma igreja que só não tem talha barroca no chão porque as pessoas precisam de pôr os pés em algum sítio. É a igreja de Santa Clara, que eu considero a mais sufocante de todas as igrejas que já vi. No entanto, parece que toda a gente gosta dela. Admito que aquela talha seja da mais alta qualidade artística, não digo que não, mas ela é tanta e tão transbordante que perde toda a beleza que possa ter. Pode ver uma fotografia do interior da igreja de Santa Clara do Porto aqui: https://www.guiadacidade.pt/static/co/upload_img/2000/1073/thumb_800_1415642357.jpg.

Retribuo os votos de boas entradas e Bom Ano Novo.

29 dezembro, 2016 03:53  
Blogger Isabel escreveu...

Estive a ver um vídeo (não consegui aceder ao que aqui colocou. Defeito do meu computador. Às vezes bloqueia e depois tenho que desligar tudo e reiniciar:( , e gostei da Igreja. Achei-a uma maravilha (realmente toda coberta de talha dourada...) e neste vídeo mostra-a com bastante luz natural, vonda das janelas que ficam por cima. Pelo menos foi o que me pareceu - janelas e luz natural.
Não conheço, mas espero ter oportunidade de conhecer um dia destes.

Boa tarde:)

29 dezembro, 2016 12:59  
Blogger Isabel escreveu...

"vinda" e não "vonda" ( é no que dá não reler!

29 dezembro, 2016 13:00  
Blogger Fernando Ribeiro escreveu...

Está visto que temos gostos diferentes, mas ainda bem que assim é. Se toda a gente gostasse do mesmo, o mundo seria terrivelmente monótono.

Não pense que eu não gosto do estilo barroco. Gosto, sim senhora, desde que não caia em exageros extremos. É verdade que o barroco é exagerado por definição, mas é preciso não abusar... Gosto muito, por exemplo, da Igreja dos Clérigos, aqui no Porto, com a sua elegantíssima torre, gosto muito da Basílica da Estrela, em Lisboa, com um estilo já "a caminho" do rococó, e de outras mais. Mas do que eu gosto mesmo é das igrejas barrocas dos países católicos da Europa Central. São todas claras e luminosas, ao contrário do clima. Aqui em Portugal são quase todas escuras e sombrias, também ao contrário do clima...

Uma igreja que me encheu as medidas, por exemplo, foi a Igreja de São Carlos em Viena. Veja, por exemplo, a sua gloriosa capela-mor: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Karlskirche_-_Wien_031.jpg.

P.S. - Não pense que sou muito viajado, porque não sou. Estive há uns anos em Viena, onde permaneci durante vários meses, por razões profissionais, e aproveitei todos os meus tempos livres para conhecer a cidade. Apaixonei-me por ela.

30 dezembro, 2016 03:49  
Blogger Isabel escreveu...

Lindíssima!
Achei piada ao seu PS. De certeza é mais viajado que eu que só fui uma vez a França, há quinhentos anos!

Não me seduzem muito as viagens. Gostava de conhecer alguns sítios em Portugal, que não conheço.

Mas vinha aqui expressamente para lhe desejar um bom 2017. Que seja um bom ano:)

31 dezembro, 2016 12:05  
Blogger Peres Feio escreveu...

Gosto da Igreja de Carcavelos - não sendo religioso lá casei há 50 anos (minha mulher Isabel é praticante católica) - minha filha lá casou - duas netas lá foram baptizadas em 2016 - é uma bela Igreja, banal no exterior mas fora de série no interior - uma opinião.

13 fevereiro, 2017 04:36  
Blogger Fernando Ribeiro escreveu...

Obrigado pelo seu comentário. Há cerca de 4 anos faleceu uma tia minha que vivia na Rebelva. Fui ao velório e à missa de corpo presente que se realizaram na igreja de Carcavelos e fiquei maravilhado com o interior da igreja. Só foi pena tê-lo conhecido num momento tão triste.

14 fevereiro, 2017 03:49  

Enviar um comentário